Pelotão, alto! Militarização como resposta aos casos de violência escolar no Brasil

Autores/as

Rodrigo Grazinoli Garrido

Universidade Católica de Petrópolis-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil

grazinoli.garrido@gmail.com

https://orcid.org/0000-0002-6666-4008

Klever Paulo Leal-Filpo

Universidade Católica de Petrópolis-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil

klever.filpo@yahoo.com.br

https://orcid.org/0000-0001-6882-4282

Resumen

O artigo se propõe a problematizar e refletir sobre iniciativas recentes de governos estaduais e locais, no Brasil, que envolvem, em maior ou menor grau, a militarização de escolas públicas como medida destinada a coibir casos de violência nessas instituições de ensino. Combina resultado de revisão bibliográfica com informações retiradas de matérias jornalísticas e dados de campo, estes últimos provenientes de pesquisa empírica qualitativa realizada no município de Petrópolis, estado do Rio de Janeiro, Brasil. Foi possível reconhecer que, apesar do necessário respeito ao interesse, cada vez maior, de famílias por um ensino militarizado, a opção por resolver conflitos escolares dessa forma pode não ser adequada, mas pelo contrário recrudescer as animosidades, afastando a escola de seu papel principal.

 

Palabras clave

Conflitos Escolares; Segurança Pública; Violência; Militarização

Cómo citar

Grazinoli Garrido, R., & Leal-Filpo, K. P. (2018). Pelotão, alto! Militarização como resposta aos casos de violência escolar no Brasil. RECIE. Revista Caribeña De Investigación Educativa, 2(2), 94–106. https://doi.org/10.32541/recie.2018.v2i2.pp94-106

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Abramovay, M; Castro, M.G.; Da Silva, A.P.; Cerqueira, L. (2016). Diagnóstico Participativo das Violências nas Escolas: falam os Jovens. FLACSO - Brasil, OEI, MEC. Recuperado de https://bit.ly/1oyxANI

Aguinsky, B.G.; Silva, G.M.da; Pacheco, C.L.; Ávila, L.F. (2014). Judicialização dos Conflitos Escolares: desafios para a materialização dos princípios do SINASE. Recuperado de https://bit.ly/2J2tglO

Bauman, Z. (2013). Vigilância Líquida. Jorge Zahar.

Caballero, M. (2017). Diagnóstico Reação em Vez de Prevenção. A Guerra do Brasil. Jornal O Globo. 14 de dezembro de 2017.

Oliveira, D.D. (2016). As escolas militares: o controle, a cultura do medo e da violência. In I.C. Oliveira e V Viegas (Orgs) Estado de Exceção Escolar: uma avaliação crítica das escolas militarizadas (pp.41-49). Escultura produções editoriais.

Oliveira, I.C. e Viegas, V. (Orgs) (2016). Estado de Exceção Escolar: uma avaliação crítica das escolas militarizadas. Escultura produções editoriais.

Charlot, B. (2002). A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, 4(8), 432-443. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222002000200016

Da Silva, L.A.M. (2014). Violência e ordem social. In R.S. Lima, J.L. Ratton e De Azevedo, R.G. (Orgs). Crime, Polícia e Justiça no Brasil (pp.26-34). Ed. Contexto.

Da Silva, F.R e Assis, S.G. (2018). Prevention of school violence: a literature review. Educ. Pesqui, 44, e157305. http://dx.doi.org/10.1590/s1517-9702201703157305

Filpo, K.P. (2016). Conflitos Escolares, Espiral do Conflito e (por que não?) a mediação. In A.G.S. Orsini, A.S. Maillart e N. Dos Sanos. Formas Consensuais de Solução de Conflitos. XXIV Congresso Nacional do CONPEDI - UFMG/FUMEC/Dom Helder Câmara. http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9679/2015.v1i1.401

Garrido, R.G.; Giovanelli, A. (2015). Ciência Forense Uma Introdução à Criminalística. Rio de Janeiro: Projeto Cultural.

Garrido, R.G.; Morell, A., Azevedo, S.V. (2018). Armed Forces as Security Agency and The Competence of Military Courts: The Prospect of Democratic Breakdown. RBDPP, 4(3).

Giddens, A. (2002). Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lemes, T. M. De A. e Garrido, R.G. (2017). Transformações das Instituições de Segurança Pública Brasileira e seus Reflexos no Reconhecimento do Mandato e na Accountability. Revista Direito & Paz. 1(36), 217-233. Recuperado de https://bit.ly/2q5fJS5

Martins, J. P. (2010). Gestão Educacional: uma abordagem crítica do processo administrativo em educação. Rio de Janeiro: Wak editora.

Minayo, M. C. de S. (2006). Violência e Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Pinto, N. M. (2015). Percepções de jovens sobre conflitos e violências na escola. Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, [S.l.], 165-187. Recuperado de https://bit.ly/2PDTL3v

Teixeira, G. (2011). Manual Antibullying para Pais, Alunos e Professores. Rio de Janeiro: Best Seller.

Sección

Artículos

Biografía del autor/a

Rodrigo Grazinoli Garrido, Universidade Católica de Petrópolis-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil

Rodrigo Grazinoli Garrido   Professor do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Católica de Petrópolis. Graduado em Segurança Pública. Especialista em Direito Processual Penal, em Bioética e em Gestão Escolar. Mestre e Doutor em Ciências. Pós-Doutor em Ciências pela UFRJ. Jovem Cientista do Nosso Estado pela FAPERJ.

Klever Paulo Leal-Filpo, Universidade Católica de Petrópolis-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil

Klever Paulo Leal Filpo  Doutor em Direito. Professor do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Católica de Petrópolis. Professor da Graduação em Direito do Instituto Três Rios da UFRRJ. Pesquisador do INCT/InEAC/UFF.